PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

O Cruzeiro de hoje parece um episódio do programa Casos de Família

Bolívia ZIca

09/09/2019 16h53

E esse eterno "Casos de Família" do SBT que virou o Cruzeiro? Parece briga de cunhadas se xingando pela janela e o bairro inteiro ouvindo. Elas são da mesma família, deveriam pensar no bem comum, resolver as diferenças dentro de casa, mas não. Já resolveram chutar o balde e dar barraco na frente dos vizinhos mesmo! E ainda por cima a diretoria não consegue acalmar os ânimos porque está sem moral na quebrada. Não paga os salários em dia e está envolvida em acusações.

As cunhadas pistola são Rogério Ceni e Thiago Neves. Um cara respeitado e vencedor como jogador, ídolo máximo do SPFC, campeão mundial pelo clube e pela Seleção, mas um novato como treinador. Do outro lado um jogador experiente, vencedor também, muitas vezes decisivo. Em comum, a personalidade temperamental e o ego inflado. Pelo visto e revisto, essa combinação explosiva deu ruim.

Rogério não está disposto a fazer média com o elenco, cheio de macaco velho. Foi contratado para mudar. Tentar reanimar um time em decomposição. Que tem bons nomes, mas não anda. Thiago Neves deixou claro não está a fim de comprar qualquer ideia. Nem ele, nem boa parte do elenco. Meteu a boca depois da eliminação. Falou que Ceni improvisou demais e avisou quem ia jogar só três horas antes do jogo. Ceni respondeu negando a escalação de última hora e disse que foram os jogadores que tiveram falhas grotescas.

Os dois podem ter suas questões e suas razões. verdades? Mas tem coisas que devem ser ditas internamente, olho no olho, em ambiente íntimo, onde as paredes não têm ouvidos e com a intenção de melhorar. A crise já é profunda o suficiente para se jogar m* no ventilador.

Aí veio o jogo do Grêmio. Mais uma paulada, dessa vez em casa. Mais uma atuação horrorosa de um time com tanta qualidade técnica. Mais uma entrevista bombástica do treinador. Mais m* no ventilador. Falou na coletiva que o Thiago Neves ficou bravo porque ele deixou o amiguinho dele (Edílson) no banco. Que se for para ficar lá – o cara acabou de chegar! – é para ter autonomia e promover mudanças. Tenso.

A torcida ficou com ele e subiu a #FechadoComCeni no Twitter. Mas ninguém mais sabe o peso que a torcida tem no cenário atual. Que o técnico tem. Ou algum jogador medalhão. O Cruzeiro de 2019 é uma nação em guerra civil. Cada um que salve o seu traseiro.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o Autor

Jornalista de formação, amante do futebol por paixão e corneteiro por vocação. Apresentador do canal Desimpedidos. Comanda o Bolívia Talk Show.

Sobre o Blog

As opiniões do personagem não refletem necessariamente a opinião do homem por trás da máscara. Mas quase sempre sim.

Bolívia Zica